segunda-feira, 27 de julho de 2015

TK85AV Tetraloaded

Como as informações deste MOD estão meio espalhadas, resolvi reuni-las num só post.

Ao longo dos anos foram surgindo vários MODs de vídeo para o TK85. Entre eles o do Eduardo Luccas, o do Victor Trucco, o meu, que depois foi simplificado e posteriormente melhorado pelo Ernani (não tenho o link, mas o Ernani mudou a alimentação da saída para +5V e aumentou o resistor de emissor.

Pois bem, durante o projeto do Tic Tac X eu fiz alguns cálculos de uma rede resistiva que me fornecesse  tensão e impedância controlados a partir de dois sinais: Video e Sincronismo, exatamente o que temos no TK85. Daí resolvi simplificar ainda mais o circuto e cheguei na versão que chamei de 'Tetraloaded', simplificando mais ainda o sinal de saída, mas ao mesmo tempo fornecendo amplitude e impedância de acordo com a norma RS-170, ou seja, amplitude de 1Vpp sob carga de 75Ohms sendo 0,3Volts de sincronismo e 0,7Volts de vídeo. Sem carga estas tensões são o dobro (pois a impedância de saída do circuito é de 75 Ohms). Além disso como o acoplamento de saída é DC eu acabei atendendo a um padrão 'não oficial' de fazer os circuitos de saída de vídeo analógico acoplados por DC (exceto para dipositivos alimentados a bateria - por motivo de redução de consumo de energia). O circuito final encontra-se abaixo:

Circuito do TK85 AV Tetraloaded

A forma de onda abaixo mostra a amplitude do sinal sem carga, com 2Vpp, pedestal em 0,6Volts. Também dá pra ver o pulso de sincronismo com aproximadamente 5us e o pedestal se estendendo 6us após o fim do pulso de sincronismo.

Forma de onda sem carga.
A placa de circuito impresso foi desenhada para caber dentro do espaço do modulador, para simplificar as modificações. A placa é em face simples para facilitar a construção caseira, porém encontra-se disponível também o OSHPark e no Dropbox

Placa disponível no OSHPark

Placa disponível para download no Drobpox.
E finalmente, a  imagem com este MOD (já vista num post anterior)

Imagem com o TK85AV Tetraloaded.


domingo, 26 de julho de 2015

Ressuscitando um TK85 (6)

Fazia tempo que eu não mexia com o TK85 ressuscitado, daí este final de semana eu fiz para ele uma caixa de metal para abrigar o circuito do TK85AV Tetraloaded. A caixa tem aproximadamente as mesmas dimensões da caixa do modulador de RF.

A placa foi soldada em quatro pontos nas laterais da caixa, uns 3mm acima da borda do metal. Como a área para dissipar calor é grande foi necessário utilizar um ferro de solda mais forte (100W). Sob a  placa, ou melhor entre a placa do MOD de vídeo e a placa de circuito impresso do TK vai uma lâmina plástica para garantir a isolação. Pena eu não ter tirado as fotos durante o processo de montagem da caixinha.

Ainda falta fazer as ligações ao 74LS86 (vídeo, sincronismo e alimentação).

Caixa metálica envolvendo o MOD de vídeo com backporch
Do lado esquerdo eu usei um fio de cobre grosso para apoiar a solda da placa
Do lado direito, a solda foi feita entre a caixa metálica e a placa do TK85

Script para caixa PB085/3 da Patola

O amigo Flávio Matsumoto publicou recentemente um post sobre uma caixa patola que ele descobriu ser ideal para abrigar o projeto TKMEM-128 do Edu Luccas. Como a caixa não tem as dimensões exatas da placa foi necessário utilizar alguns pedaços de EVA para manter a placa no lugar.

Fonte: Cantinho do TK90X

Como essa caixa me pareceu ser excelente para fazer projetos para os TKs, resolvi fazer um script no Eagle para gerar um contorno de placa com as furações para projetos futuros.

As dimensões da placa encontram-se no site da Patola.

Fonte: Patola (www.patola.com.br)
 Observando-se os cortes AA e BB, mais a vista superior, conclui-se que as dimensões da placa devem ser ligeiramente inferiores a 81 por 69mm e a distância entre os furos deve ser de exatamente 58mm. Descontando-se pelo menos 1mm de cada dimensão e arredondando para décimos de polegada chegamos à medida de 3,1 x 2,6 polegadas. Convertendo para milímetros temos 78,74 x 66,04 mm. Isso dá uma folga de aproximadamente 1,2mm para cada um dos quatro lados da placa.

Para os furos a coordenada X equivale à metade, ou seja é igual a 39,37mm. Já para a coordenada Y deve-se dividir por dois a diferença entre 66,04 e 58mm. Assim temos 8,04/2 - 4,02 mm o que significa que a primeira coordenada Y é de 4,02mm e a segunda coordenada é de 4,02 + 58,0 = 62,02mm. O diâmetro dos furos, segundo o desenho é de 2,5mm. Então foi deixada uma pequena folga e o furo ficou com 2,6mm.

A torre de plástico que segura o parafuso tem 5mm de diâmetro, sendo assim deve-se evitar vias nessa região. Para fazer as vias usa-se a instrução Circle, que usa a coordenada do centro e uma coordenada qualquer por onde passa o raio. Assim, usou-se como coordenadas do centro as mesmas coordenadas dos furos e somou-se 2,5mm às coordenadas Y de forma a se ter um raio de 5mm.

Convertendo as vírgulas decimais em pontos e ajuntando-se tudo isso num script temos:

# Caixa Patola PB085-3 - Danjovic 2015
# http://www.patola.com.br/index.php?route=product/product&search=pb-085&product_id=99.


#Ajusta Grid
Grid mm 1 off;
Set Wire_Bend 0;
#Outline
Layer Dimension;
Wire 0  (0 0) (78.74 66.04) (0 0);
#Furos
Hole 2.6 (39.37 4.02);
Hole 2.6 (39.37 62.02);
#detalhes
Layer vRestrict;
Circle (39.37 4.02)  (39.37 6.52)
Circle (39.37 62.02) (39.37 64.52)
#Restaura Grid
Grid Last;
Window Fit;


Para utilizar este script deve-se copiar o conteúdo de suas linhas para um arquivo e salvar com a extensão .scr. Em seguida, no editor de PCBs do Eagle vá em FILE->Execute Script (ou utilize o botão apropriado) e abra o arquivo que foi salvo.

Atalhos para executar um script no Eagle
O resultado encontra-se abaixo. As medidas foram colocadas por mim depois (o Eagle 7 tem cotas). O script foi feito de forma que a placa fique alinhada num grid em polegadas. É por isso que as distâncias das cotas estão 'quebradas'. Detalhe que a distância entre os furos aparece como 58.42 somente por causa da diferença entre os grids de mm e polegada, pois como pode-se notar no script acima, a distância é de 58mm exatos (62,02 - 4,02).

Contorno e furações da placa


 

sábado, 25 de julho de 2015

Placa para o MOD de vídeo do Speccy +3

Complementando o post anterior, segue abaixo o layout para a placa do MOD de vídeo do Speccy+3.

Layout da placa, que mede aproximadamente 15 x 16 mm.
O circuito permanece o mesmo

Diagrama do circuito
Os pontos de ligação da placa encontram-se abaixo, e continuam os mesmos.
Pontos de ligação. O resistor R44 deve ser removido.
A placa encontra-se compartilhada no OSHPark e também no Dropbox

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Mod de vídeo e fonte de um ZX Spectrum +3

Um amigo meu comprou recentemente um ZX Spectrum +3 no ebay. Apesar de ter vindo sem fonte, segundo o antigo dono ele estava funcionando.

Quando o micro chegou o primeiro passo foi arrumar uma fonte de alimentação para ele. Consultando a documentação disponível na Internet (exemplo), o Speccy +3 precisava das tensões de alimentação de +12V, +5 e -12V. (na realidade os -12 nem são necessários, pois segundo o diagrama são roteados diretamente para o conector de expansão)

Como esse meu amigo tinha um módulo de alimentação de placa mini-itx e uma 'breakout' box de fonte ATX sem uso, ele decidiu utiliza-los. Essa montagem é bem direta, basta conectar as placas e fazer os fios para ligar no plug de alimentação do Spectrum. O único detalhe é que é necessário fazer um jumper entre o pino PS_ON e o terra. O conjunto é alimentado por uma fonte de +12Volts (que meu amigo também tinha)

Ligação das partes que compõem a fonte de alimentação.
A montagem foi feita numa caixa Patola. A fim de segurar as placas duas torres plásticas foram 'soldadas' à caixa Patola.

Torres de fixação para parafusos 'soldadas' à caixa Plástica

Conjunto do conversor DC-DC já montado.
Conversor DC-DC finalizado.
Quando o micro foi ligado, não foi possível obter uma boa sintonia. O melhor sinal que a TV conseguiu captar foi o menu em preto e branco, cheio de chuviscos. Pelo menos era sinal de que o micro funcionava.

Imagem sintonizada em UHF
A solução foi fazer um MOD de vídeo composto. Para não mexer demais no micro, a parte de RF foi mantida intacta e o sinal de vídeo foi roteado para o conector RGB, no lugar dos +12Volts, assim como no Spectrum 2.

O circuito de modificação foi retirado deste documento (link, página 5)

Circuito do MOD de vídeo.

O circuito foi montado numa placa de circuito impresso padrão. O transístor utilizado foi o 2N3904 mesmo. A disposição dos componentes, foi planejada para que os fios coincidissem com os pontos de montagem.

Placa com o circuito do MOD de vídeo.

Os pontos de conexão encontram-se na foto abaixo. O resistor R44 (1K) deve ser removido.

Pontos de montagem. O resistor R44 deve ser removido.

A fim de não errar na hora de confeccionar o conector, o plug foi encaixado e os pinos de GND e saída de vídeo foram identificados com o multímetro (continuidade). Os pinos foram marcados com caneta de retro. Esse procedimento parece óbvio, mas já me salvou de muita dor de cabeça na montagem desses conectores circulares.

Pinos  foram identificados com o multímetro e marcados antes de serem soldados
Cabo de vídeo composto já montado.
Depois de montar e testar o cabo, o circuito foi envolvido em espaguete termo-retrátil, e antes de ser fixado, foi feito um teste para ver se estava tudo em ordem.

Espaguete Termo-retrátil em volta da placa.
Tudo em ordem.
Depois de restringir o espaguete, o circuito foi fixado usando fita de fixação de canaletas ('verdinho').

Usando 'verdinho' para prender a placa do MOD de vídeo.
Placa do MOD já na posição definitiva.
Depois de fechado, o micro foi remontado. Aproveitei para testar todas as teclas para garantir que tudo estava em ordem antes de colocar os parafusos do gabinete de volta no lugar.






sábado, 4 de julho de 2015

Uma caixa na mão e idéias na cabeça....

A caixa em questão é a PB-900 da Patola, que tem espaço suficiente para alojar a placa do TK85 e mais uma fonte de alimentação. A altura da caixa é suficiente para permitir empilhar outra placa, como a do adaptador de teclado, muito embora também seja possível criar um teclado matricial na tampa plástica.

Dimensões da caixa: 260 x 89 x 180 mm (L.A.P.)

A caixa tem espaço de sobra!

sexta-feira, 3 de julho de 2015

Curvas de Avanço do motor do Fusca

Tendo colocado recentemente minha viatura Xavante X10TR de volta às ruas, passei a estudar um pouco do funcionamento da mecânica Volkswagen que era a base dos primeiros veículos da Gurgel a fim de poder mexer eu mesmo no veículo.
Xavante X10-TR
Uma referência obrigatória nesse assunto é o canal do Marcello Tonella, que produz excelentes vídeos explicando os detalhes de funcionamento e como reparar/substituir/diagnosticar os diversos sistemas do veículo.
Canal do Tonella no Youtube

Em um dos vídeos por exemplo ele comenta sobre a curva de avanço inadequada (excessiva) dos kits de distribuidor com sensor Hall disponíveis no Mercado Livre a preços baixos. Esse vídeo foi bem útil para mim, uma vez que eu adquiri um kit desses para o meu Xavante, e logo tive que desativar o avanço a vácuo como forma temporária de limitar o avanço de forma a evitar que o motor bata pino em rotações altas e cargas elevadas.
Kit de Ignição Xing Ling


Procurando por informações na Internet me deparei com o Manual de Reparações Fusca que possui uma seção com as tabelas de avanço do distribuidor para motores a gasolina e a álcool. O legal dessas tabelas é que a composição do avanço está completamente segregado em "avanço estático", "Avanço a vácuo" e "Avanço Centrífugo". Sendo assim é possível montar um verdadeiro mapa de ignição para esses motores, bastando somar os três para as condições variadas de rotação (centrífugo) e carga do motor (vácuo).

Capa do "Manual de Reparações Fusca"


Tabela de avanço para motores álcool na página 46
Para facilitar a visualização das tabelas eu as transformei numa série de gráficos contendo os valores de avanço máximo, mínimo e médio para os motores a gasolina e a álcool. Também fiz um comparativo entre os valores médios de avanço entre os dois combustíveis (gasolina e álcool).

Curva de avanço Máximo x Mínimo


Gráfico comparativo Gasolina x Álcool

O resultado está disponível em três arquivos na minha pasta do Dropbox. São duas planilhas, uma nativa do OpenOffice e outra convertida para o Excel, além de um arquivo PDF.

Com as curvas em mão já tenho como verificar o quão fora está o avanço do distribuidor Xing Ling que comprei. Para isso vou precisar de usar uma lâmpada estroboscópica, mas isso é uma outra estória....